Ir para Portal Saúde Ir para Portal Brasil.Gov
Ir para Portal Saúde Ir para Portal Brasil.Gov
imagem representativa da área do site Profissionais de Saúde

Profissionais de Saúde:Área exclusivamente destinada aos Profissionais da área de Saúde. Informações técnicas, área não recomendada para o público leigo.

H.F.S.E/R.J./M.S.Voltar para a página Inicial

 

Você está em: Home >>>> Profissionais de Saúde >>>>

GABARITOS - PROCESSO SELETIVO NERJ/INCA 2011
PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA




CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO MÉDICA






CARDIOLOGIA

1 - A 26 - C
2 - D 27 - B
3 - C 28 - B
4 - B 29 - A
5 - C 30 - C
6 - C 31 - C
7 - C 32 - B
8 - B 33 - B
9 - C 34 - B
10 - D 35 - C
11 - C 36 - D
12 - B 37 - A
13 - C 38 - C
14 - D 39 - C
15 - A 40 - C
16 - D 41 - A
17 - D 42 - C
18 - B 43 - D
19 - C 44 - A
20 - B 45 - B
21 - D 46 - D
22 - D 47 - A
23 - A 48 - B
24 - C 49 - C
25 - B 50 - C
Voltar ao topo

CIRURGIA GERAL

1 - C 26 - D
2 - D 27 - A
3 - A 28 - B
4 - D 29 - A
5 - D 30 - B
6 - C 31 - B
7 - B 32 - C
8 - A 33 - B
9 - C 34 - B
10 - A 35 - B
11 - B 36 - D
12 - A 37 - C
13 - C 38 - C
14 - D 39 - C
15 - C 40 - C
16 - D 41 - B
17 - D 42 - B
18 - D 43 - B
19 - B 44 - B
20 - C 45 - C
21 - C 46 - B
22 - C 47 - D
23 - A 48 - C
24 - C 49 - C
25 - B 50 - D

Voltar ao topo


CIRURGIA VASCULAR

1 - C 26 - E
2 - D 27 - A
3 - D 28 - B
4 - A 29 - B
5 - E 30 - B
6 - D 31 - A
7 - B 32 - A
8 - B 33 - B
9 - E 34 - C
10 - D 35 - D
11 - D 36 - D
12 - A 37 - D
13 - C 38 - C
14 - D 39 - A
15 - C 40 - D
16 - C 41 - B
17 - E 42 - A
18 - E 43 - B
19 - E 44 - E
20 - E 45 - C
21 - A 46 - C
22 - D 47 - D
23 - B 48 - C
24 - D 49 - A
25 - A 50 - B

Voltar ao topo

CLÍNICA MÉDICA

1 - B 26 - B
2 - A 27 - B
3 - C 28 - D
4 - D 29 - D
5 - D 30 - B
6 - B 31 - B
7 - D 32 - D
8 - A 33 - D
9 - B 34 - C
10 - D 35 - A
11 - C 36 - D
12 - D 37 - C
13 - B 38 - A
14 - C 39 - C
15 - B 40 - A
16 - A 41 - C
17 - A 42 - B
18 - D 43 - A
19 - C 44 - A
20 - D 45 - B
21 - A 46 - D
22 - B 47 - D
23 - A 48 - B
24 - B 49 - A
25 - C 50 - C
Voltar ao topo


COLOPROCTOLOGIA


1 - C 26 - B
2 - B 27 - B
3 - B 28 - B
4 - D 29 - B
5 - B 30 - B
6 - C 31 - D
7 - A 32 - C
8 - C 33 - B
9 - B 34 - C
10 - C 35 - D
11 - A 36 - C
12 - D 37 - D
13 - D 38 - A
14 - A 39 - C
15 - C 40 - A
16 - D 41 - C
17 - A 42 - C
18 - A 43 - B
19 - D 44 - D
20 - A 45 - C
21 - A 46 - D
22 - B 47 - D
23 - D 48 - D
24 - A 49 - A
25 - D 50 - C
Voltar ao topo

ENDOSCOPIA GINECOLÓGICA


1 - B 26 - B
2 - D 27 - A
3 - C 28 - D
4 - B 29 - B
5 - A 30 - D
6 - C 31 - A
7 - A 32 - D
8 - D 33 - C
9 - B 34 - C
10 - A 35 - D
11 - C 36 - D
12 - D 37 - C
13 - A 38 - B
14 - C 39 - B
15 - B 40 - A
16 - A 41 - C
17 - A 42 - B
18 - C 43 - C
19 - D 44 - B
20 - B 45 - C
21 - B 46 - A
22 - D 47 - C
23 - D 48 - C
24 - D 49 - A
25 - C 50 - A
Voltar ao topo

GASTROENTEROLOGIA


1 - A 26 - A
2 - B 27 - C
3 - C 28 - C
4 - B 29 - A
5 - C 30 - D
6 - A 31 - C
7 - C 32 - C
8 - C 33 - D
9 - A 34 - A
10 - B 35 - D
11 - D 36 - C
12 - A 37 - C
13 - A 38 - B
14 - C 39 - B
15 - D 40 - D
16 - B 41 - C
17 - D 42 - D
18 - D 43 - C
19 - C 44 - B
20 - D 45 - D
21 - C 46 - D
22 - B 47 - C
23 - C 48 - D
24 - C 49 - D
25 - B 50 - B
Voltar ao topo

NEFROTRANSPLANTE


1 - D 26 - D
2 - C 27 - A
3 - C 28 - B
4 - D 29 - C
5 - C 30 - A
6 - C 31 - C
7 - D 32 - A
8 - A 33 - A
9 - A 34 - B
10 - B 35 - A
11 - D 36 - C
12 - C 37 - C
13 - C 38 - B
14 - A 39 - C
15 - A 40 - A
16 - D 41 - C
17 - C 42 - B
18 - C 43 - A
19 - C 44 - B
20 - D 45 - C
21 - D 46 - D
22 - D 47 - C
23 - B 48 - B
24 - B 49 - B
25 - A 50 - D
Voltar ao topo


PEDIATRIA


1 - C 26 - C
2 - C 27 - C
3 - C 28 - A
4 - A 29 - A
5 - B 30 - D
6 - A 31 - A
7 - D 32 - D
8 - A 33 - D
9 - D 34 - C
10 - A 35 - C
11 - D 36 - B
12 - C 37 - B
13 - A 38 - B
14 - C 39 - B
15 - A 40 - C
16 - B 41 - C
17 - B 42 - D
18 - B 43 - B
19 - C 44 - B
20 - C 45 - D
21 - C 46 - A
22 - A 47 - B
23 - B 48 - A
24 - D 49 - B
25 - D 50 - C
Voltar ao topo


 

 
Voltar ao topo

CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO

 

1a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: O carcinoma epidermóide de cavidade nasal é uma doença incomum, o local mais comum de origem é a parede lateral seguida pelo septo nasal. Cerca de ¾ das lesões do septo nasal originam-se anteriormente na transição cutâneo-mucosa.
  2. Resposta: O tratamento destas lesões depende do estadiamento, em geral lesões (T1-T2) podem ser tratadas tanto com cirurgia como radioterapia (externa ou implante). Lesões mais avançadas (T3-T4) são melhores tratadas pela combinação destas duas modalidades. Metástase cervical está presente em 10-20% dos casos e tratamento eletivo do pescoço pode ser considerado.
  3. Resposta: Recidiva local estará presente em cerca de 30-40% dos casos, 15% dos pacientes desenvolverão um segundo tumor primário- metade destes na cabeça e pescoço.
  4. Resposta: Sobrevida em 3 e 5 anos é de 86% e 69% , respectivamente, a causa mais comum de morte é doença incontrolável no sitio primário. Sinais de mau prognóstico  são: invasão de mais de uma área na cavidade nasal, extensão alem da cavidade nasal, invasão óssea, presença de metástase linfonodal e  grade volume da lesão primaria. 

2a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Defeitos de partes moles podem ser reconstruídos com transplante de retalhos micro-cirúrgicos, tais com anterolateral da coxa, reto abdominal e grande dorsal.  Artéria e veias do pescoço podem ser utilizadas para realização, não havendo necessidade de enxertos venosos.
  • Reconstrução óssea não é necessária na maioria dos casos, pois a reconstrução de partes moles já é suficiente. Todavia, devido à amplitude do defeito há necessidade de reconstrução. Pode-se lançar mão de material aloplástico como uma tela de titânio ou enxertos ósseos micro vascularizados, tais como fíbula ou crista ilíaca.
  • Os reparos de dura mater devem ser cuidadosos para minimizar os riscos de fístula liquorica. Pode-se considerar para a reconstrução enxertos de dura, retalho pericrânio galeal e fascia muscular, é importante salientar que apos a reconstrução deve-se cobrir o leito com cola biológica para evitar o escape de líquido cefalorraquidiano.
  • Caso haja violação da órbita pode haver necessidade de reconstrução, ela é necessária quando 2/3 do assoalho da órbita é retirado. Implantes de titânio ou enxertos ósseos são utilizados.

 


3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Traqueostomia previa, extensão subglótica, presença de metástase para linfonodos para-traqueais.
  2. Resposta:
    • Tipo I Tumor invade parede superior do traqueostoma, sem envolvimento do esôfago.
    • TipoII Tumor invade parede superior do traqueostoma, com envolvimento do esôfago
    • Tipo III Tumor invade parede inferior do traqueostoma e estende-se para o mediastino
    • Tipo IVTumor estende-se lateralmente profundamente a clavícula
  3. Resposta: Tratamento cirúrgico deve ser oferecido nas recidivas Tipo I e II de Sisson, dissecção do mediastino é recomendada nestes casos, emprega-se radioterapia adjuvante se esta não foi oferecida previamente. Nas recidivas Tipo III e IV o tratamento cirúrgico pode ser empregado, porém as condições clínicas do paciente e os alta morbidade e mortalidade do procedimento deve ser levado em consideração.

4a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Oncogenes são genes que quando ativados são responsáveis pela carcinogênese, antes da ativação são denominados proto-oncogenes, podem ter funções qualitatva e quantitativa nas funções intracelulares.
  2. Resposta:
  • EGF-Rreceptor de fator do crescimento, tumor associado carcinoma epidermóide
  • v-mos tradutor de sinal, tumor associado sarcomas
  • K-RAS tradutor de sinal, tumor associado leucemia mieloide aguda, carcinoma da tireóide e melanoma
  • KS3fator de crescimento, tumor associado sarcoma de Kaposi
  • v-fosfator de transcrição, tumor associado osteossarcoma

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: O papel de linfonodo sentinela no melanoma de cabeça e pescoço ainda é controverso, isso se deve ao fato da complexidade da drenagem linfática, bem como muitas vezes o linfonodo sentinela encontra-se intra-parotideo e sua biopsia sem a identificação do tronco do facial poderia colocar este nervo em risco.
  2. Resposta: Excisão alargada para o tumor primário (Margem de 2 cm se possível),  esvaziamento cervical +- parotidectomia, seguido de radioterapia adjuvante. Considerar a possibilidade de terapia sistêmica (quimioterapia e/ou imunoterapia).
Voltar ao topo

 

CIRURGIA DE TECIDO ÓSSEO E CONECTIVO EM ONCOLOGIA

 

1a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Agentes
    • Estrogênio ... Ca vagina, colo, endométrio, tiotepa, treossrfano, melfalano, ciclofosfamida, clorrambucil ... leucemia, tamoxifeno ... útero, radioterapia ... sarcoma
  • Exposição
    • Pulmão: Arsênico / Asbestos / Alcatrão ...
    • Fígado: Cloreto de vinila ...


2a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Hipoglicemia
    • Metástase Hepática  ......... Gliconeogenese
    • Tumor de Pâncreas ........... ¯ Insulina
  • Hipercalcemia
    • Metástase Óssea
    • Produção exagerada de PTH

 

3a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  Teste Papanicolau ≥ 18 anos

  •    Mamografia ≥ 40 anos
  • Pesquisa de sangue ≥ 50 anos
  • Oculto nas fezes ≥ 50 anos
  • Toque retal ≥ 40 anos
  • Exames Dermatológico ≥ 40 anos

 


4a Questão: (20 pontos)

 

Resposta:
Terapias Biológicas:

  • Citosinas Recombinantes
  • Anticorpos Monoclonais
  • Vacinas
  • Fator de crescimento

Agentes:

  • BCG
  • INTERFERON
  • LEVAMIZOL
  • LAK

 


5a Questão: (20 pontos)

Resposta:
Causas:

  • Câncer de Pulmão
  •  Linfoma
  • Adenomegalia Metastatica em mediastino

Tratamento – Radioterapia

Voltar ao topo

CIRURGIA TORÁCICA EM ONCOLOGIA

 

 

1a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: As estações 1, 2, 3 e 4, estações 5 e 6 e as  estações 7, 8 e 9.
  2. Respostas: As estações 5 e 6, ou, linfonodos da janela aórtico-pulmonar.

2a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: A via linfática peri ou subbrônquica que se dirige à estação nodal subcarinal 7 (estação sete).
  2. Resposta: A importância é que se trata de estação nodal mediastinal que quando comprometida modifica o estadiamento do câncer de pulmão. Deve ser abordada no início da cirurgia quando se faz o estadiamento

3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: A alternativa é a ressecção sublobar, ou seja, a ressecção do segmento contendo o nódulo tumoral.(segmentectomia).
  2. Resposta: Fisioterapia respiratória e broncodilatadores.

4a Questão: (20 pontos)

Criança de dois anos de idade apresenta dificuldade postural e para deambulação. A TC de tórax mostra massa heterogênea em goteira costovertebral direita que se estende de T2 até L1.

  1. Resposta: Tumores neurogênicos.
  2. Resposta: DHP pode ser estabelecido através de punção com agulha cortante (Trucut). Também a Biópsia do tumor por toracotomia.
  3. Resposta: Esta situação se deve à presença de componente intracanalicular do tumor, “Tumor em Relógio de Areia” ou em “Halteres”. O Foramen de Conjugação é alargado e o tumor tem componente dentro do Canal Vertebral comprimindo a Medula Espinhal.

5a Questão: (20 pontos)

O acúmulo de líquido no espaço pleural depende entre outros fatores do gradiente das pressões hidrostática e coloidosmótica a nível dos capilares da pleura visceral e parietal. Quando você punciona o derrame pleural descreva:

  1. Resposta: Avaliando a relação proteína e LDH do líquido pleural e sangue. Esta relação deve ser superior a 0,5 para proteína e superior a 0,6 para LDH para caracterizar um exsudato.
  2. Resposta: A dosagem do pH, se menor que 7.00 autoriza a drenagem, quando maior que 7.2 aguardar. A presença de líquido fibrinoso ou purulento e/ou presença de bactéria no Gram autoriza a drenagem.
  3. Resposta: Citologia Neoplásica do Líquido Pleural. Biópsia por Agulha de Cope com Histopatologia da Pleura.
Voltar ao topo

CITOPATOLOGIA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA

1a Questão: (20 pontos)

 Resposta: Carcinoma medular. Representam cerca de 1 a 5% de todos os carcinomas da mama. Tendem a ocorrer em idade mais jovem que a maioria dos outros cânceres de mama. Apesar de maus indicadores prognósticos, como a ausência de REs ou RPs, têm melhor prognóstico que a maioria dos outros cânceres de mama.

2a Questão: (20 pontos)

Resposta: Carcinoma Indiferenciado Neuroendócrino de Pequenas Células, Tipo “Oat-Cell”.

3a Questão: (20 pontos)

Resposta: Carcinoma Lobular Infiltrante.

4a Questão: (20 pontos)

Resposta: Carcinoma Epidermóide Invasor.

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: As alterações citológicas afetam células menores e menos maduras, o tamanho celular global é variável, hipercromasia nuclear com variações no tamanho nuclear e na sua forma, a cromatina pode ser fina ou grosseiramente granular e com distribuição regular e contorno de membrana bastante irregular.
  2. Resposta: Colposcopia e Biópsia.
Voltar ao topo

DERMATOLOGIA EM ONCOLOGIA

1a Questão: (20 pontos)

Resposta: Melanócito.

2a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Granuloma Piogênico.
  2. Resposta: Melanoma Anelanótico.

3a Questão: (20 pontos)

  1. Respostas:
    • Grandes ninhos ovóides.
    • Áreas tipo folha de bordo.
    • Áreas em raio de roda.
    • Ulceração.
    • Vasos arboriformas.
  2. Respostas:
    • Pseudoabertura folicular.
    • Pseudocisto córneo.
    • Padrão em giros e sulcos.
    • Áreas em roído de traça.
    • Borda em geléia.
    • Padrão vascular em grampo de cabelo.

4a Questão: (20 pontos)

Resposta: ONICOMADESE.

 

5a Questão: (20 pontos)

Respostas:

  • Fotoprotetores Físicos: São substâncias OPACAS que agem REFLETINDO A LUZ, impedindo que as radiações atinjam a pele.
  • Fotoprotetores Químicos: São agentes químicos que agem ABSORVENDO as radiações, impedindo que a pele seja atingida.
Voltar ao topo

ENDOSCOPIA DIGESTIVA EM ONCOLOGIA

 

1a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Métodos mecânicos:

Hemoclipe, endoloop, ligadura elástica.

  • Métodos de injeção: Álcool absoluto, etanolamina, cianoacrilato, solução de adrenalina.
  • Métodos térmicos: Eletrocoagulação bipolar, coagulação por plasma de argônio, heater probe, laser.

2a Questão: (20 pontos)

Resposta: Colocação de sonda naso ou oroenteral

Complicações: sinusite, necrose alar, perfuração, falso trajeto, desposicionamento, refluxo, esofagite péptica, obstrução, esofagite de decúbito, sangramento nasal, aspiração, pneumotórax.

  • Gastrostomia endoscópica percutânea

Complicações: sepultamento do retentor interno, saída acidental precoce ou tardia, infecção, implante tumoral no estoma, hematoma de parede, fasciíte necrotizante, abscesso de parede, dor, peritonite, pneumoperitônio, tecido de granulação, alargamento do estoma, dermatite, vazamento, fístula gastrocolocutânea, fístula gastrocutânea persistente, sangramento, perfuração de vísceras interpostas, migração distal com obstrução.

  • Jejunostomia endoscópica percutânea

Complicações: sepultamento do retentor interno, saída acidental precoce ou tardia, infecção, implante tumoral no estoma, hematoma de parede, fasciíte necrotizante, abscesso de parede, dor, peritonite, pneumoperitônio, tecido de granulação, alargamento do estoma, dermatite, vazamento, fístula gastrocolocutânea, fístula gastrocutânea persistente, sangramento, perfuração de vísceras interpostas, migração distal com obstrução.

3a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Colocação de prótese metálica autoexpansível

Complicações: dor, migração, perfuração, sangramento, disfunção, fratura, malposicionamento, crescimento de tecido tumoral, crescimento de tecido hiperplásico, obstrução alimentar, dor, fístulas.

  • Colocação de prótese plástica autoexpansível

Complicações: dor, migração, perfuração, sangramento, disfunção, fratura, malposicionamento, crescimento de tecido tumoral, crescimento de tecido hiperplásico, obstrução alimentar, dor, fístulas.

  • Colocação de prótese plástica rígida

Complicações: dor, migração, perfuração, sangramento, malposicionamento, crescimento de tecido tumoral, crescimento de tecido hiperplásico, obstrução alimentar, dor, fístulas.

  • Aplicação de laser
Complicações: perfuração, sangramento, dor, estenose, fístulas.
  • Aplicação de plasma de argônio
Complicações: perfuração, sangramento, dor, estenose, fístulas.
  • Aplicação de cateter bipolar
Complicações: perfuração, sangramento, dor, estenose, fístulas.
Colocação de sonda naso ou oroenteral

Complicações: sinusite, necrose alar, perfuração, falso trajeto, desposicionamento, refluxo, esofagite péptica, obstrução, esofagite de decúbito, sangramento nasal, aspiração, pneumotórax.

  • Dilatação endoscópica com velas

Complicações: perfuração, sangramento, dor, pneumotórax.

  • Dilatação endoscópica com balão hidrostático

Complicações: perfuração, sangramento, dor, pneumotórax.

  • Colocação de cateter de braquiterapia

Complicações: perfuração, sangramento, dor, estenose, fístulas.

  • Terapia fotodinâmica

Complicações: perfuração, sangramento, dor, estenose, fístulas, fotossensibilização

 

4a Questão: (20 pontos)

Anulada por erro de impressão.

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta:Tumor limitado às camadas mucosa e submucosa, independente de envolvimento linfonodal.
  2. Resposta:
    • 0-I - Protruso
    • 0-II - Plano
    • 0-IIa - Plano elevado
    • 0-IIb - Plano superficial
    • 0-IIc - Plano deprimido
    • 0-III – escavado
  3. Resposta: Sangramento, perfuração, dor, doença residual por ressecção incompleta.
  4. Resposta: Tumor que se estende além da camada submucosa
  5. Resposta:
    • Borrmann I - Vegetante
    • Borrmann II - Ulcerado
    • Borrmann III - Ulceroinfiltrativo
    • Borrmann IV - Infiltrativo
    • Borrmann V - Indeterminado
Voltar ao topo

HEMATOPATOLOGIA

 

1a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Linfoma do mediastino (tímico) com esclerose –

- apresentação – massa do medistino
- morfologia - fibrose, compartimentalização alveolar, células médias a grandes, algumas do tipo RS
- imunofenótipo – CD20, CD79a, CD30 em mais de 80% dos casos, MUM-1 em 75%,CD23 – 70%

  • Linfoma de grandes células intravascular –

            - apresentação – crescimento seletivo no interior dos vasos de localização extranodal
- morfologia – células grandes no interior de vasos pequenos e interrmediários de vários órgãos
            - imunofenótipo – CD20, CD79a, coexpressão de CD10 e CD5 em 38% e 13%

  • Linfoma de grandes células ALK-positivo -

- apresentação – subtipo raro, envolve linfonodos ou massa mediastinal, tem sido descritos sítios extranodais (nasofaringe, língua, estômago, osso e partes moles)
- morfologia – padrão de crescimento sinusoidal, células monomórficas e imunoblasto símile, alguns casos com diferenciação plasmablástica.
- imunofenótipo – positividade para proteín a ALK com padrão citoplasmático granular altamente indicativo de expressão da proteína ALK-CLTC, poucos casos positivos para ALK-NPM (nuclear e nucleolar), expressam EMA e marcadores de células plasmáticas. Negativos para Cd3, CD20 e CD79a.

  • Linfoma Plasmablástico –

- apresentação – mais frequentemente na cavidade oral, mais também em outros sítios extranodais, Envolvimento nodal incomum. Geralmente se apresentam em estádio avançado.
- morfologia - proliferação de células com morfologia de imunoblastos e diferenciação plasmablástica.
- imunofenótipo – fenótipo de células plasmáticas incluindo positividade para Cd138, Cd38, Vs31 e negatividade ou positividade fraca para CD45, CD20 e PAX-5. CD79a é positivo em cerca de 50-85% dos casos. EMA e CD30 são expressados.

  • Granulomatose Linfomatóide –

- apresentação – doença angiodestrutiva e linfoproliferativa, envolvendo sítios extranodais, composta por células B EBV positivas, misturadas com células T as quais geralmente predominam. Ocorre na vida adulta.
- morfologia – infiltrado polimórfico angiocêntrico e angiodestrutivo. Pode variar de lesões com raras células grandes até lesões formado agregados de células CD20 positivas.
- imunofenótipo – células grandes são positivas para CD20, variavalmente positivas para CD30 e negativas para CD15. Células T dofundo são positivas para CD4 mais do que para CD8.

 

2a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • LLC - CD20, CD5, CD23, CD43 positivos, CD10, Bcl-6, cilcina-D1 negativos.
  • Linfoma folicular – CD20, CD10, Bcl-6 positivo; CD5, ciclina-D1, CD43 negativo.
  • Manto – CD20, CD5 e ciclina-D1 positivos, CD10, CD23 e Bcl-6 negativos.

 

 

3a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • Linfoblástico B – 80-85% das leucemias linfoblásticas e 10% dos linfomas linfoblásticos.  75% acometem crianças com menos de seis anos de idade, medula óssea envolvida em todos os casos, sangue periférico geralmente envolvido. Envolvimento extramedular freqüente pele, partes moles, osso e linfonodos.

Raramente envolve mediastino.

  • Linfoblástico T – Medula óssea envolvida em todos os casos. Envolvimento freqüente do mediastino. Pode envolver sítios nodais e extranodais.

 

 

4a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • A forma clássica rica em linfócitos faz diagnóstico diferencial com o subtipo predomíneo linfocitário devido à presença de linfócitos B ao fundo e pela formação de nódulos.
  • O diagnóstico diferencial é baseado na presença de células RS típicas e variantes na forma rica em linfócitos, que expressam CD30, CD15 e em menor proporção CD20. No subtipo predomíneo linfocitário não são observed células RS e sim células LH que são positivas para CD20 e CD45 e negativas para CD30 e CD15.  O padrão nodular do subtipo predomíneo linfocitário é realçado pela positividade para marcador de células dendríticas CD21.  Na forma rica em linfócitos as células RS estão presentes no interiorda zona do manto de folículos que exibem centros germinativos em involução. Outro achado presente no predomíneo linfocitário é a positividade dos linfócitos T para CD4 e CD57, formando uma coroa ao redor das células LH ,o que não é observado na forma clássica rica em linfócitos.

 

 


5a Questão: (20 pontos)

Resposta: A amostra adequada deve ter cerca de 1,5 cm ou dez espaços intertrabeculares.

Voltar ao topo

 

MEDICINA INTENSIVA PEDIÁTRICA

 

 

1a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Tetralogia de Fallot.
  2. Resposta: Estenose pulmonar, Hipertrofia do Ventrículo Direito (VD), Comunicação interventricular (CIV ) e Dextroposição da Aorta.
  3. Resposta: A  posição de cócoras leva a um aumento da resistência vascular sistêmica, provocando um maior desvio de sangue para o leito vascular pulmonar e assim um percentual maior do sangue será oxigenado.
  4. Resposta: Bicarbonato de sódio ou Fenilefrina ou Propranolol IV.

2a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: A idade da criança.
  2. Resposta: Um benzodiazepínico (Ex. Diazepam).
  3. Resposta: Meningite.
  4. Resposta: Exantema Súbito ( Provocada pelo Herpes vírus tipo 6 ou 7).

3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Estreptococos B- hemolítico do grupo A
  2. Resposta: Uma Penicilina.
  3. Resposta:
    • Mononucleose infecciosa OU
    • Abscesso amigdaliano
  4. Resposta:
    • Mononucleose infecciosa: Hemograma  ou  Pesquisa de anticorpos heterófilos (Paul –Bunnel ) ou Pesquisa de IgM contra o antígeno do capsídio viral.
    • Abscesso amigdaliano: TC de cabeça e pescoço.

 

4a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta:Não
  2. Resposta:
    • Aciclovir oral deve ser usado para tratar a varicela não complicada em indivíduos ≥ 13 anos e crianças ≥ 12 meses de idade em uso de corticóide , em uso de salicilatos, e de possíveis casos casos secundários de contactantes em casa. Para maior eficácia do tratamento o mesmo deve ser iniciado em até 48 h do início do exantema.
    • Aciclovir IV é indicado para doença grave e para imunocomprometidos
  3. Resposta: Recomendar vacinação contra a Varicela, ou caso a doença apareça, começar no mesmo dia o aciclovir.
  4. Resposta: Vírus vivo atenuado.

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Ressuscitação Volumétrica.
  2. Resposta: Dopamina.
  3. Resposta: Adrenalina: Caso o paciente não apresente sinais de reversão do choque com líquidos, dopamina e dobutamina, associa-se adrenalina para o choque frio (extremidades frias e enchimento capilar lento, i.e., maior que 2 segundos). 
  4. Resposta: Noradrenalina: Caso o paciente não apresente sinais de reversão do choque com líquidos, dopamina e dobutamina, associa-se noradrenalina para o choque quente (rubor de extremidades e enchimento capilar rápido). 
  5. Resposta: Insuficiência adrenal, suspeita de infecção do Sistema Nervoso Central, uso crônico de corticóides, suspeita de Meningococcemia fulminante.

 

 

Voltar ao topo

MEDICINA PALIATIVA

1a Questão: (20 pontos)

2a Questão: (20 pontos)

  1. RESPOSTA:Progressão de doença pulmonar com comprometimento difuso de parênquima por nódulos ou linfangite, derrame pleural e embolia pulmonar
  2. RESPOSTA: R: Raio-x de tórax, provas de ventilação/perfusão, dosagem de D-dímero
  3. RESPOSTA: Abordagem farmacológica inicial com uso de corticoidoterapia, oxigênio, morfina, ansiolítico e controle adequado de dor que esteja trazendo piora para o quadro respiratório. Confirmando derrame pleural, o controle do sintoma se daria através de uma paracentese seguida ou não de pleurodese e em se tratando de embolia pulmonar seria introduzida heparinização plena. Todas as medidas invasivas ou não seriam tomadas com base na avaliação prognóstica do paciente

 

  3a Questão: (20 pontos)

 

  1. a) RESPOSTA: Em primeiro lugar o fato de tratar-se de paciente oncológico. Em segundo lugar o fato de trata-se de paciente com lesão tumoral em região inguinal, pós esvaziamento linfonodal. Em terceiro lugar, a dor, o edema e o empastamento da panturrilha.
  2. b) RESPOSTA: O exame mais indicado seria o ecodoppler colorido, pois é um exame de fácil realização, relativamente barato e que confirmaria ou afastaria o diagnóstico principal (TVP).
  3. c) RESPOSTA: Analgesia com associação de AINES, iniciação de anti-coagulação plena.

4a Questão: (20 pontos)

  1. a) RESPOSTA: Fadiga
  2. b) RESPOSTA: Pulmão, mama e TGI
  3. c) RESPOSTA: A fadiga do câncer é multifatorial e está relacionada intimamente com liberação de citocinas inflamatórias, tais como: interleucinas 1 e 6, FNT, fator de crescimento tumoral e e  neurotransmissores, que geram caos metabólico determinando anormalidades bioquímicas e hormonais. A fadiga pode relacionada a fatores próprios da doença como  tipo de tumor, estágio de doença e a presença intercorrências médicas relacionadas com o câncer primário, entre estas se destaca a anemia relacionada ao câncer ou fatores próprios do paciente, como co-morbidades prévias.

 

 5a Questão: (20 pontos)

  1. a) RESPOSTA: Paciente com dor prioritariamente de caráter neuropático.
  2. b) RESPOSTA: O paciente encontra-se no segundo degrau da escada analgésica.
  3. c) RESPOSTA: A troca para um opióide forte em dose equivalente, o início de medicações adjuvantes (gabapentina, amitriptilina, carbamazapina)

 

 

Voltar ao topo

MICROCIRURGIA EM ONCOLOGIA

1a Questão: (20 pontos)

Resposta:

1- Xeroderma Pigmentoso
2- Síndrome do Nevus Basocelular (Síndrome de Gorlin)
3- Albinismo
4- Epidermodisplasia Verruciforme
5- Sindrome de Muir-torre
6- Poroceratose
7- Síndrome de Baze-Dupre-Chistol

 


2a Questão: (20 pontos)

Resposta: Regnault.

Grau 1 – complexo areolomamilar no/ ou ligeiramente acima do mesmo e acima da convexidade hemisférica inferior da mama.

Grau 2 – complexo areolomamilar descendente para uma posição abaixo do sulco inframamário, mas situado na projeção anterior da massa mamária.

Grau 3 – complexo areolomamilar descendente para uma posição abaixo do sulco, e em posição pendente na convexidade inferior da mama.

 


3a Questão: (20 pontos)

Resposta:

1. ligamentos osteocutaneos zigomáticos
2. ligamentos osteocutaneos mandibulares
3. ligamento cutâneo plastimal anterior
4. ligamento auriculoplastimal

 

 

4a Questão: (20 pontos)

Resposta: Quando ocorre a retirada de mais de 04 (quatro) segmentos contínuos de costela ocasionando tórax instável.

Opções de respostas :
a) Tec Autologo (Fascia, Retalho Peitoral e Grande Dorsal)
b) Componentes Sintéticos (Teflon, Malha de Prolene e Gore-Tex)
c) Malhas Compostas (Tela Composta de Marlex e Metacrilato)

 


5a Questão: (20 pontos)

Resposta: 8 Ramos

  • Tireóidea Superior
  • Faríngeo Ascendente
  • Lingual
  • Facial
  • Occipital
  • Auricular Posterior
  • Temporal Superficial
  • Maxilar
Voltar ao topo

 

NEUROCIRURGIA EM ONCOLOGIA

 

1a Questão: (20 pontos)

Resposta:
 1 - Déficit homolateral (do mesmo lado da lesão):
 a  - Paralisia motora
 b - Perda da sensibilidade profunda:
Propriocepção consciente (capacidade de identificar a posição dos segmentos corporais)
Tato epicrítico (capacidade de identificar as características táteis de um objeto)

2 - Déficit contralateral:
a - Anestesia térmica
b - Anestesia dolorosa
(Todas essas alterações estão abaixo do nível da lesão).

 


2a Questão: (20 pontos)

 

Resposta:
1 - Alterações de comportamento
a - Redução da atividade
b - Redução da atenção
c - Mória (humor jocoso)
d - Relaxamento das condutas sociais

2 - Crises epiléticas adversivas

3 - Alteração do equilíbrio

4 - Síndrome de Foster Kennedy:
a - Homolateral: anosmia e atrofia optica
b - Contralateral: edema de papila

 

 


3a Questão: (20 pontos)

Resposta:

  • A síndrome de cone medular caracteriza-se por: acometimento esfincteriano precoce, alteração bilateral e simétrica da sensibilidade principalmente na região perianal, preservação dos reflexos patelares e diminuição dos reflexos aquileus e paraparesia simétrica.
  • A síndrome de cauda eqüina apresenta alteração assimétrica da sensibilidade com distribuição em sela, paraparesia assimétrica e arreflexa, alteração esfincteriana tardia e presença de dor radicular.

 

 

4a Questão: (20 pontos)

Resposta:
Adenoma não funcionante de hipófise; o aumento da prolactina  se dá por compressão da haste hipofisária. 

 

 


5a Questão: (20 pontos)

 

Resposta:

  • Sistema nervoso central: glioma de nervo óptico, gliomas supratentoriais, gliomas de tronco e meningiomas.
  • Sistema nervoso periférico: tumores malignos da bainha dos nervos periféricos, neurofibroma   plexiforme.
Voltar ao topo

RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA

 

 1a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Hemograma completo com plaquetas. TAP, PTT e INR. Uréia e creatinina.
  2. Resposta: Compressão manual no local por 5 a 10 minutos. Avaliação do local para identificar sangramento persistente. Curativo compressivo. Paciente restrito ao leito e membro sem mobilização por no mínimo 6 horas. Palpar pulsos locais antes e após o procedimento.

2a Questão: (20 pontos)
 

  1. Resposta: Comportamento hipervascular. Realce na fase arterial, isointenso na fase portal e lavagem do meio de contraste na fase tardia.
  2. Resposta: Sim. Paciente cirrótico compensado, com hepatocarcinoma de estadiamento intermediário (lesões irressecáveis e não passiveis de ablação) e sem sinais de trombose extensa da veia porta.

3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Não.
  2. Resposta: Drenagem Biliar com Stent (Prótese Biliar)
  3. Resposta: Acesso percutâneo à via biliar. Ultrapassar as áreas de estenose e obstrução nos Ductos Hepáticos. Implantar Stent cobrindo a(s) lesão(ões).

4a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Drenagem percutânea guiado por Imagem.
  2. Resposta: Tomografia Computadorizada ou Ultra-sonografia. Permitem guiar o procedimento com segurança e precisão. A Tomografia tem a vantagem de não sofrer com a interposição intestinal. A Ultra-sonografia tem a vantagem de permitir o procedimento em tempo real.

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Realizando embolização do tumor.
  2. Resposta: Reduzir o sangramento per-operatório. Geralmente não existe o objetivo de reduzir o tamanho da lesão, pois a cirurgia é realizada em 24/48h após a embolização.

 

Voltar ao topo

TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA - PROGRAMA DE RESIDÊNCIA MÉDICA


1a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: 25%
  2. Resposta: Mutações do gene FLT3 e do gene NPM1.  A presença de mutação em NPM1 associado a ausência de mutação FLT3 indica bom prognóstico. Estes pacientes não se beneficiam de transplante alogenico em primeira linha.
  3. Resposta: Não há contra-indicação para o transplante. Existe incompatibilidade sanguínea do sistema ABO, classificada como maior. As hemácias devem ser retiradas do produto a ser infundido (medula óssea ou sangue periférico mobilizado) para evitar reação hemolítica.

 

2a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Células tronco de medula óssea, células tronco de sangue periférico mobilizado e células tronco de sangue de cordão umbilical e placenta.
  1. Resposta: Sim. Crianças que não atingem remissão ao final da terapia de indução possuem prognóstico muito desfavorável com uso de quimioterapia isoladamente. O prognóstico é significantemente melhor para os pacientes que receberam transplante como terapia de primeira linha, independentemente do tipo de doador.

3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Anemia aplástica severa.
  2. Resposta:
    • Mielograma: Avaliação morfológica de todos as setores hematopoiéticos e detecção de elementos anormais à medula óssea; auxilia no diagnóstico diferencial com mielodisplasia, leucose, outras infiltrações neoplásicas ou parasitárias.
    • Biósia de medula óssea: avaliação da celularidade global e setorial, avaliação estrutural da medula óssea (presença de ALIP) e detecção de processos infiltrativos; auxilia no diagnóstico diferencial com mielodisplasia, leucose, outras infiltrações neoplásicas ou parasitárias.
    • Teste do diepoxibutano (DEB): auxilia no diagnóstico diferencial com anemia de Fanconi.
    • Radiografia de tórax: auxilia no diagnóstico diferencial com timoma.
    • Imunofenotipagem do sangue periférico com expressão de CD 55 e 59: auxilia no diagnóstico diferencial com hemoglobinúria paroxística noturna.
    • Citogenética de medula óssea: auxilia no diagnóstico diferencial com mielodisplasia.
  3. Resposta: Transplante de medula óssea alogenêico.

4a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Pele, fígado e intestino.
  2. Resposta:
    • Pele: rash maculo-papular;
    • Fígado: disfunção principalmente colestática;
    •  Instestino: diarréia líquida.
  3. Resposta: Corticóide.

5a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Linfoma de Hodgkin, linfoma não Hodgkin, mieloma múltiplo, tumores de células germinativas, neuroblastoma, leucemia mielóide aguda (casos selecionados), doença autoimunes (casos selecionados).
  2. Resposta: Células tronco de sangue periférico mobilizado. Vantagens principais: menor tempo para pega do enxerto e menor risco de contaminação do enxerto por células neoplasicas.
  3. Resposta: Mucosite, diarréia, pneumonite, insuficiência cardíaca, síndrome de obstrução sinusoidal (ou VOD), cistite hemorrágica, disfunção neurológica, nefrotoxicidade.
Voltar ao topo

UROLOGIA EM ONCOLOGIA

 

 1a Questão: (20 pontos)

Resposta: Estadiamento clínico: TXN3M0.

 

TX -  Tumor não identificado até o momento (pois não foi operado).
N3 – Metástase com massa de linfonodos maiores que 5cm em sua maior dimensão.

M0 – Sem evidência de metastases a distância.

Exames complementares

  • Alfa feto proteína
  • BETA HCG
  • LDH
  • Tomografia ou Ressonância Magnética abdomino-pélvica

 

Tomografia de abdome e pelve deve ser realizada em todos os casos por ser o método mais eficaz para identificar envolvimento de linfonodos RETROPERITONEAIS (8) (NE5;GR D). TC de tórax não é obrigatória para os casos de seminoma estádio I (8) (Ne5; Gr D).

A Ressonância Magnética (RM) não mostra vantagens sobre a TC para a avaliação de metástases retroperitoneais, além de apresentar custos mais elevados. Recomenda-se rm de tórax e abdome apenas quando a T estiver cont (impossibilidade ao uso do contraste iodado) (8) (Ne5;Gr D)

Tratamento tumor Primário:
Orquiectomia por Via Inguinal complemento prévio do cordão espermático. A lesão primária deve ser tratada por Orquiectomia Radical por Via Inguinal, com ligadura prévia do cordão espermático, no nível do anel inguinal interno. Na cirurgia são removidos o testículo, epidídimo e todo o funículo espermático (19) (Ne 5; Gr D).
Em dúvida diagnóstica deve-se recorrer à biópsia por congelação , também por via  inguinal (com clampeamento prévio). O controle local do tumor é obtido na grande maioria dos pacientes (20) (ne 1c; gr a)
Deve-se evitar qualquer tipo de procedimento por via escrotal, pelos riscos de maior recidiva local (7 vezes maior) . Nos casos de violação escrotal nos pacientes  com estádio clínico i (eci), a indicação de tratamento complementar não apresentou impacto na recidiva à distância ou na sobrevida (19) (NE 1  ; GRA).

Tratamento tumor à distância:
Quimioterapia Sistêmica com BEP (bleomicina, etoposide e cisplatina) em 4 ciclos, com intervalo de 21 dias a cada ciclo.

Por tratar-se de doença abdominal estádio n3, o esquema terapêutico standard utilizado em todos os guidelines corresponde a 4 ciclos completos.

 


2a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Biópsia do pênis
  2. Resposta: Carcinoma epidermóide invasivo.
  3. Resposta: Amputação parcial do pênis + linfadenectomia inguinal bilateral
    A amputação parcial ou total é o padrão ideal do tratamento do carcinoma do pênis. Para as lesões que envolvem a glande, mesmo que aparentemente superficiais, a amputação parcial deve deixar uma margem, a fim de reduzir o risco de recidiva local.
    A linfadenectomia inguinal bilateral deve ser quando houver gânglios clinicamente palpáveis e é realizada após a ressecção da lesão primária peniana. Alguns autores sugerem que a linfadenectomia inguinal deva ser realizada após a regressão do processo inflamatório.
    Os pacientes submetidos à linfadenectomia inguinal com ganglios positivos apresentam sobre vida maior do que aqueles que não são tratados por esta modalidade de tratamento.

3a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: Adenocarcinoma acinar da próstata.
  2. Resposta: Cintilografia óssea e tomografia abdomino/pélvica.
  3. Resposta: T1cN0Mx tumor diagnosticado por biopsia devido à elevação do PSA.
  4. Resposta: Prostatovesiculectomia radical - o tratamento do adenocarcinoma da próstata depende da idade, expectativa de vida, condições clínicas, estadiamento e grau histológico da neoplasia. A prostatectomia radical é indicada nos estádios T1 e T2  constituindo-se como uma forma de tratamento curativa.

4a Questão: (20 pontos)

  1. Resposta: O tumor poderia ser pT1 de alto grau ou Ca in situ que não respondeu ao tratamento com BCG. Pacientes com estes tumores apresentam melhor sobrevida quando submetidos à cistectomia precoce. Ou ainda tumores invasivos da camada muscular vesical T2, T3 e T4 que apresentam uma taxa de sobrevida em 5 anos que varia de 40 a 64% quando os pacientes são submetidos à cistectomia radical.
  2. Respostas:Substituições vesicais ortotópicas, derivações externas incontinentes, derivações externas continentes e derivações internas.
  3. Respostas:

    Substituições vesicais ortotópicas:
    Doença clinicamente localizada
    Creatinina abaixo de 2,5mg/dL
    Ausência de câncer na uretra prostática e na mulher ausência de câncer no colo vesical e na uretra.
    Condição clínica satisfatória Condição física e mental suficientes para a adaptação à uma derivação continente (possível necessidade de Valsalva e autocateterismo)
    Normalidade do segmento intestinal a ser utilizado assim como as características normofuncionais do intestino remanescente
    Competência esfincteriana urinária Derivações externas incontinentes:
    Em função da sua simplicidade e o menor índice de complicações principalmente o conduto ileal (operação de Bricker) é muito utilizado quando o paciente não preenche os requisitos necessários a uma substituição ortotópica ou a uma derivação continente. Derivações externas continentes:
    Mesmos critérios daqueles pacientes com indicação de substituição ortotópica, porém quando sua confecção está contraindicada por incompetência esfincteriana ou invasão da uretra prostática ou da uretra ou do colo vesical nas mulheres. Derivações internas
    Mais utilizada: Ureterosigmoidostomia. Tem indicação superponível às derivações externas continentes. Estão contraindicadas em portadores de doenças colônicas, para hepatopatas, para portadores de insuficiência renal (maior risco de acidose hiperclorêmica), para pacientes com insuficiência do esfíncter anal e para pacientes já submetidos a tratamento radioterápico pélvico.

5a Questão: (20 pontos)
           

  1. Resposta:Síndorme de Von Hippel –Lindau.
  2. Resposta:Carcinoma renal de células claras.
  3. Resposta:
    Nefrectomia parcial bilateral com ressecções das lesões sólidas e císticas.
    A Nefrectomia deverá ser feita em tumores acima de 3 cm devido as recidivas freqüentes em tempos separados para avaliação da função renal.

Voltar ao topo

Links relacionados nas outras áreas do site:

O Hospital

A Divisão de Ensino e Pesquisa do H.F.S.E.. dispõe de vários Cursos e promove, diversos cursos de Aperfeiçoamento . anualmente, diversos eventos como Simpósios, Assembléias, Congressos, etc.

O Paciente / Cidadão

A Divisão de Ensino e Pesquisa do H.F.S.E.. dispõe de vários Cursos e promove, diversos cursos de Aperfeiçoamento . anualmente, diversos eventos como Simpósios, Assembléias, Congressos, etc.

Note que as informações aqui disponibilizadas são de caráter complementar, não substituindo, em hipótese alguma, as visitas regulares ao médico ! Evite a auto-medicação, consulte, sempre, um profissional devidamente capacitado !
H.F.S.E. - (Hospital Federal dos Servidores do Estado)

Hospital do Ministério da Saúde, localizado na cidade do Rio de Janeiro, mantido pelo Governo Federal


Rua Sacadura Cabral , 178 - CEP.:20221-903 - Rio de Janeiro - RJ

Telefone: (0XX) (21) 2291 3131 e Fax: (0XX) (21) 2516 1539


Design e Desenvolvimento: Equipe de Desenvolvimento Web do C.P.D.